Serigrafia - Glossário para iniciantes




Adesivo, cola
Cola para fixar o tecido no quadro serigráfico. Na maioria das vezes são empregados adesivos de dois componentes. Há também adesivos instantâneos e adesivos UV.

Aparelho de esticagem
Aparelhos de esticagem destinam-se à esticagem do tecido serigráfico antes da sua colagem no quadro. Diferencia-se entre:
- sistemas de esticagem mecânica
- sistemas de esticagem pneumática

Aparelho pneumático de esticagem
Sistemas pneumáticos de esticagem compõem-se de pinças individuais conectadas entre si formando um sistema de esticagem. De acordo com o sistema, elas são operadas através de ar comprimido e um ou dois aparelhos de comando. O total necessário de pinças depende do tamanho do quadro

Área aberta da malha
Soma de todas as aberturas da malha na superfície do tecido ao em %. Um tecido com ao = 30,5% possui uma superfície aberta, que deixa passar a tinta, de 30,5% e uma superfície fechada, que não deixa passar a tinta, de 69,5%.

Depósito de tinta seco
Espessura em µm do depósito de tinta após a secagem e endurecimento da tinta

Desengraxe
Antes da confecção da matriz, o tecido deve ser desengraxado (limpo) com um produto apropriado caso ele não possua um tratamento especial da superfície, do qual dispõe, por exemplo, o SEFAR PET 1500.
Solicitamos que não utilize podutos domésticos de limpeza! .

Diâmetro do fio
A indicação do diâmetro do fio, ou da espessura do fio, é feita em valor nominal, ou seja, a informação refere-se ao diâmetro do fio não tecido em µm.

Dispositivo de exposição
Aparelho destinado à exposição da matriz. A fonte de luz UV deve ter a maior radiação no intervalo de aprox. 350 e 420 nm.

Emulsão
Camada fotográfica sensível à luz UV para matrizes serigráficas

Espessura do tecido
A espessura do tecido é medida em µm com o tecido não esticado

Espessura da tela
ver espessura do tecido

Exposição
Exposição da emulsão fotográfica a raios de luz UV. As partes não cobertas da matriz e expostas à luz endurecem e não dissolvem na água. As zonas não expostas, ao contrário, podem ser lavadas com água

Exposição gradual
A exposição gradual é o meio de se determinar o tempo ideal de exposição. Ela depende da emulsão fotográfica, do tecido, de toda a espessura da matriz, da fonte de luz e da distância entre a luz e a matriz.

Filme capilar 
Emulsão que foi aplicada sobre a película e secou.

Fora de contato
Fora de contato é a distância entre a tela e o suporte de impressão antes do processo de impressão, ou seja, antes de o rodo pressionar a tela sobre o substrato.

Formação de dentes-de-serra
Os contornos das linhas e superfícies impressas não são nítidos, ou seja, são serrilhados. Causa principal: emulsão fina demais ou valores de RZ alto demais
fonte:Sefar

Geometria do tecido
A geometria do tecido apresenta todas as medidas bidimensionais e tridimensionais do tecido. A base é composta pelo número de fios e pelo diâmetro do fio.

Impressão reticulada
Impressão de uma imagem de tom contínuo em pontos de meio-tom. Lineatura da retícula (a) L/cm ou L/pi
A lineatura da retícula é indicada em linhas por cm ou por polegada. Na serigrafia, é possível imprimir, de acordo com o tecido, retículas entre 5 L/cm até no máximo 48 L/cm. Regra: o menor ponto deve apresentar um diâmetro mínimo de dois fios e uma abertura da malha.

Inclinação do rodo
Inclinação com a qual o rodo é fixado. A inclinação usual é de 75°.

Instrumento de medição da tensão do tecido
Instrumento de medição e de controle para a determinação da tensão do tecido. Aparelhos modernos possuem tecnologia eletrônica e indicação digital (por exemplo SEFAR Tensocheck 100)

Lado do rodo
Lado do tecido / da matriz voltado para o rodo.

Moiré na serigrafia
Interferência entre tecido e filmes para a impressão de retículas

Número de fios
A lineatura ou o número do tecido significa o total de fios por unidade de comprimento. (L/cm; L/inch)

Número do tecido
Indicação do número de fios por cm ou polegada e do diâmetro do fio

Passagem da tinta
Passagem da tinta de impressão pelo tecido da matriz

Perfil do quadro
Além do material (aço, alumínio), o perfil e a espessura da parede são fatores decisivos para a estabilidade dimensional de quadros serigráficos. Distinguimos entre perfis quadrados, retangulares e especiais.

Pressão do rodo 
Com a pressão do rodo, a matriz é pressionada sobre o suporte de impressão. A pressão do rodo deve ser a mais baixa possível.

Quadro
O quadro serve para fixar o tecido serigráfico esticado. Ele deve ser estável para não se deformar quando submetido às altas pressões do tecido esticado e do processo de impressão.

Quadro serigráfico
O alumínio e o aço são os metais mais usados na fabricação de quadros serigráficos. Quadros de alumínio são muito mais leves e de manuseio mais fácil. Para alcançar a mesma estabilidade, o corte transversal do perfil deve ser mais elevado.

Registro
1: Equivalência entre a imagem original (por exemplo diapositivo) e a imagem impressa.
2: Em impressões multicolores é a equivalência entre a imagem original e a imagem impressa nas diferentes cores.
3: Equivalência entre o início e o fio da impressão ou entre dois exemplares individuais de impressão

Retícula
Distinguimos entre a reticulagem de amplitude modulada (AM) e reticulagem de freqüência modulada (FM).
AM: Resolução de pontos maiores ou menores em um total constante por unidade da superfície
FM: O tamanho dos pontos é o menor possível mas constante. Porém, o total de pontos por unidade da superfície varia.

Rodo
Com o rodo, as aberturas da malha são enchidas de tinta e a tela pressionada sobre o suporte de impressão. A borda, a pressão e a inclinação do rodo, bem como o seu material e a sua dureza, exercem uma influência importante sobre o resultado da impressão.

Sistema de esticagem de dois circuitos
Um sistema de esticagem de dois circuitos opera pneumaticamente e possui dois circuitos de comando independentes entre si para as pinças de esticagem dos lados paralelos do quadro. Ele é empregado para quadros serigráficos com dimensões maiores do que 150 cm.

Sistema de esticagem de um circuito
O sistema de esticagem de um circuito opera pneumaticamente e possui apenas um circuito de comando para todas as pinças. Ele pode ser empregado com quadros de até aproximadamente 150 cm de comprimento.

Sub-exposição
Os raios da luz que incidem sobre os fios brancos do tecido são refletidos, provocando uma sub-exposição das partes da imagem cobertas pelo positivo do filme.
Além disso, uma parte da luz também é absorvida pelos fios, o que aumenta a sub-exposição ao longo do material do fio. Resultado: contornos não nítidos da impressão, alterações da tonalidade

Superfície aberta da malha
ver área aberta da malha

Tecidos serigráficos calandrados
Tecidos serigráficos calandrados de um lado ou de ambos os lados para a redução do depósito de tinta. É empregado de forma especial com tintas UV.
Os tecidos SEFAR PET 1000 OSC são calandrados de um lado

Tempo de exposição
Tempo durante o qual a matriz é exposta a raios de luz UV.

Volume de tinta teórico Vth
Valor calculado do volume de tinta Vth (cm3/m2) a partir da área aberta da malha ao em % e da espessura da tela D em mm:
Vth = (ao * D)/100




Compartilhar

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário...